• Ines Rioto

Transição da estrutura etária e a feminização do envelhecimento populacional .....


Entre o contingente de idosos existe uma alta proporção de mulheres idosas que moram sozinhas nos domicílios particulares unipessoais ou em domicílios com outros parentes ou agregados, mas sem a presença de um companheiro. A viuvez, por exemplo, é uma fatalidade que contribui para a maior presença de mulheres idosas sozinhas (BERQUÓ; CAVENAGHI, 1988). A alta porcentagem de mulheres idosas vivendo sozinhas foi algo denominado, no passado, de “pirâmide da solidão” (BERQUÓ, 1986). Porém, como morar sozinho não significa ser solitário, o chamado fenômeno da “pirâmide da solidão” deve vir escrito entre aspas, indicando apenas a existência de um crescente número de mulheres idosas sem cônjuges

Um dos desafios do processo de feminização do envelhecimento é possibilitar a criação de um espaço de convivência com o objetivo de motivar a participação das mulheres idosas no convívio social, evitando o isolamento e fortalecendo a autoestima e a autonomia feminina. A sociedade brasileira precisa saber aproveitar o potencial das recém-chegadas à terceira idade e que possuem altos níveis educacionais e ricas experiências de trabalho e de vida, evitando a sobrecarga individual com as tarefas do cuidado. As mulheres chefes de família idosas podem se transformar em fonte de sabedoria e difusão de conhecimentos para toda a sociedade.

http://www.ens.edu.br/arquivos/mulheres-chefes-de-familia-no-brasil-estudo-sobre-seguro-edicao-32_1.pdf


Plenitude Ativa/Inês Rioto

Morar 60 mais - PNG.png

São Paulo/Brasil

Todos os direitos reservados

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • LinkedIn Social Icon