• Ines Rioto

Cientistas criam neurónios artificiais para tratar Alzheimer Universidade de Bach reportou um “neuró


Inspiring Smart Por Inspiring Life -12 Dezembro, 2019

Muitos estragaram o computador e tivemos que encontrar várias maneiras de repará-lo. E, em casos mais extremos, compre outro. Mas vamos falar sobre os casos em que é necessário repará-lo e, nessas situações, às vezes você teve que recorrer a uma mudança de chip, ou seja, uma modificação no software do computador. Ou era assim antes, já que com os Notebooks e Macs, o processo de reparo é um pouco diferente agora.

Mas então foi assim, e trocar um chip poderia consertar um computador. E se isso pudesse ser feito da mesma maneira com um cérebro com uma lesão cerebral, como a doença de Alzheimer, certamente seria bem recebido por muitas pessoas. Falaríamos sobre um grande avanço científico, que permite curar doenças e condições cerebrais que hoje parecem incuráveis ​​e pelas quais muitas famílias sofrem.

Bem, parece que em breve será uma realidade. Porque nesta semana um grupo de pesquisadores da Universidade de Bach reportou um “neurónio artificial de estado sólido”, que simula com precisão o comportamento de nossas células nervosas, para que possamos substituí-las.

Assim, de acordo com o estudo publicado na Natura Communications, propõe-se que esses dispositivos, que são como chips, possam ser conectados aos circuitos neurológicos do corpo para reparar danos ou curar doenças.

“Até agora, os neurónios eram como caixas pretas, mas conseguimos abrir a caixa preta e olhar para dentro (…) Nosso trabalho muda o paradigma, pois fornece um método robusto para reproduzir as propriedades elétricas dos neurónios reais em detalhes minuciosos”, disse Alain Nogaret, líder do projeto, em um comunicado de imprensa.

Foi realmente difícil para os pesquisadores replicar o comportamento dos neurónios no silício, uma vez que eles não respondem linearmente aos estímulos. Portanto, eles precisavam coletar dados de dois tipos de neurónios de rato: os do hipocampo (aprendizado e memória) e os do centro respiratório.

E, dessa maneira, crie um modelo para construir chips de silício analógicos, que atingiram uma precisão de 94%. Finalmente, esses neurónios artificiais usam apenas 140 nanowatts de potência e cada chip tem aproximadamente 0,1 milímetros de diâmetro, sendo necessário adicionar muitos deles para criar um implante prático.

https://www.inspiringlife.pt/cientistas-criam-neuronios-artificiais-para-tratar-alzheimer/?fbclid=IwAR3FX0MBiBT2gPHUaDO5a2Gr1qmc_-jIz1ZIxCyxTnsVVSqNp7A48g1HdFA


Plenitude Ativa/Inês Rioto

Morar 60 mais - PNG.png

São Paulo/Brasil

Todos os direitos reservados

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • LinkedIn Social Icon