• Inês Rioto

Menos confinamento e mais comunidade: rumo a um novo modelo de atenção ao idoso


17 DE JUNHO DE 2020

Diz Fernando Fantova , pesquisador e consultor de Serviços Sociais, cuja pandemia geral "está assumindo um teste de estresse para todos os mecanismos e dispositivos de nossas sociedades". Ele também ressalta, com a clarividência a que ele nos acostumou a seus seguidores, que esta crise está causando um "dano reputacional" significativo ao sistema de atendimento residencial (devido ao grande número de pessoas que estão morrendo nesses centros).


Sem dúvida, as consequências sociais da crise do coronavírus acrescentam uma emergência a algo que já era urgente: a abordagem coletiva e o enfrentamento do que tem sido chamado nos últimos anos de "crise do cuidado". Essa expressão refere-se ao crack gerado no modelo tradicional de atendimento a grandes setores da população (idosos, pessoas com deficiência, crianças, doentes, etc.).

Em nossa sociedade, o cuidado tem sido considerado, por motivos de afeto e / ou obrigação moral, uma questão de caráter intrinsecamente doméstico, a ser resolvida por cada família (principalmente por mulheres) com recursos próprios (com a ajuda do mercado - que poderiam - ou acrescentando ajuda de um setor público em declínio - sempre limitado e altamente condicionado -). Nesta diretriz, foi aberta uma fissura (uma falha grave) que obedece a vetores de força de diferentes tipos e faixas: sociodemográfica (aumento da expectativa de vida e baixa taxa de natalidade, envelhecimento da população, mudanças na composição das famílias), parceiro - Trabalho (redefinição de papéis nas famílias, diminuição da disponibilidade de mulheres para cuidar em casa), cultural (processos de individualização,

Essa complexa situação levou muitas famílias a terceirizar a assistência, sem saber recorrer a serviços incorporados nas cadeias globais de assistência (prestadores de cuidados estrangeiros) ou nos circuitos financeiros globais (fundos de investimento transnacionais), duas manifestações de “globalização e mercantilização de assistência ”.

Esperamos que, nos últimos anos, iniciativas múltiplas e inovadoras tenham sido exploradas na construção de outros tipos de cuidados incentivados por mudanças ocorridas em diferentes esferas: social (demandas pela participação de grupos vulneráveis ​​ou dependentes na geração de respostas sociais às suas necessidades), tecnológicas (avanços para monitorar a saúde e o bem-estar, fornecer serviços eletronicamente e possibilitar lares seguros e confortáveis), conceituais (reivindicação de um modelo de atenção centrado na pessoa, reconhecimento dos componentes sociais da revitalização da visão dos laços comunitários), política (progresso legal e definição de estratégias para promover autonomia e capacidade),e organizacional (demanda por uma abordagem socio-sanitária integrada e abrangente, enraizada na comunidade, pela abordagem eficaz da fragilidade humana).

É aqui que o debate iminente e necessário sobre o novo modelo de atendimento residencial deve ser enquadrado. A reflexão política, institucional e, esperançosamente, da mídia sobre residências não deve se concentrar na proporção de profissionais de saúde e pessoas protegidas. Isso implicaria esquecer o contexto (os novos modelos de assistência), deturpar o diagnóstico (o problema não é logístico, mas de concepção) e errar na abordagem (mais institucionalização, mais segregação, mais "confinamento").

O debate deve abordar como reorientar o olhar para a velhice, longe da estigmatização e do paternalismo; como tornar mais fácil para as pessoas projetar seus projetos de vida em casa, com seus vínculos, com suas redes sociais (e em acomodações alternativas estimulantes, saudáveis, abertas e de coexistência, quando necessário); como construir alianças público-privadas fora da lógica do mercado que presidiram algumas decisões políticas recentes; como articular sistemas sociais e de saúde para garantir a qualidade de vida das pessoas onde elas querem morar (em casa); como habilitar as pessoas, nas palavras de Oliver Sacks (em seu livro In motion, 2015), “a levar uma vida agradável e significativa, com sistemas de apoio, participando da comunidade,

Por fim, esse exercício de reflexão e planejamento deve se basear em uma única pergunta: como colocar a pessoa no centro.

Se o debate não for enquadrado nesses termos, "para encerrar o antigo", como Mary Beard disse recentemente (El País, 17 de maio de 2020), políticas milenares serão incentivadas, uma reflexão necessária sobre o que as pessoas podem fazer será roubada. contribuir ao longo de nossas vidas e prevalecerá um critério que é importante apenas para o sistema socioeconômico que busca ser reconstruído: “pura conveniência”.

AUTOR - Juan Mª Prieto Lobato

Professor do Departamento de Sociologia e Serviço Social. Universidade de Valladolid.

https://www.matiafundazioa.eus/es/blog/menos-confinamiento-y-mas-comunidad-hacia-un-nuevo-modelo-de-atencion-las-personas-mayores


Plenitude Ativa/Inês Rioto

Morar 60 mais - PNG.png

São Paulo/Brasil

Todos os direitos reservados

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • LinkedIn Social Icon